LAGOA RODRIGO DE FREITAS



História do Bairro - Lagoa

No Século XVI existiam algumas fazendas e engenhos localizadas no Jardim da Gávea, que englobava os atuais bairros da Gávea, Jardim Botânico e Lagoa, essa área apresentava terras de boa qualidade para o plantio da cana-de-açúcar, atividade esta que muito interessou aos colonizadores no início da vida carioca.

Às margens da lagoa que era conhecida pelos índios como Sapopenipã, que significa lagoa das raízes chatas em Tupi-Guarani, e pelos portugueses como lagoa dos socós, porque na região havia muito dessas aves, foi instalado, em 1575, o Engenho Del Rei quando Cristóvão de Barros era Governador da Capitania do Rio de Janeiro e Antonio Salema Governador do Sul do Brasil, logo após a expulsão definitiva dos corsários franceses da Baía de Guanabara.

Em 1660 essas terras foram adquiridas por Rodrigo de Freitas Castro e Mello que ao voltar para Portugal transferiu-a para seu filho Rodrigo de Freitas que a conservou assim como seu herdeiro.

No início do Século XIX, D. João VI ao se transferir para o Brasil, em 1808, chegando ao Rio de Janeiro, teve como primeira providência a construção de uma fábrica de pólvora para que seu exército e sua marinha pudessem proteger a cidade de possíveis invasões francesas. O local escolhido para a construção da fábrica foi em terras que circundavam a lagoa, já então denominada Lagoa Rodrigo de Freitas. Para que esta construção pudesse ser realizada D. João VI indenizou a família Rodrigo de Freitas e nesse mesmo ano a fábrica foi construída. Em 1826 a fábrica de pólvora construída por D. João VI explodiu e foi então transferida para a Raiz da Serra no caminho que D. Pedro II fazia para chegar a Petrópolis, e passou a chamar-se Fábrica da Estrela.

A partir da metade do Século XIX, a produção de cana-de-açúcar começou a entrar em crise fazendo com que alguns dos engenhos situados nas regiões rurais passassem a ser retalhados em chácaras.

Em 01 de janeiro de 1871 a Companhia de Ferro Carril do Jardim Botânico, empresa que recebeu a primeira concessão para o serviço de bondes de burro, estendeu suas linhas até o atual bairro do Jardim Botânico. Dois anos depois, a 17 de dezembro de 1873, a Companhia inaugurava o ramal Gávea que passaria a ser Freguesia a partir do ano seguinte. A Freguesia da Gávea que englobava os atuais bairros da Lagoa, Jardim Botânico, Gávea, Ipanema, Leblon, Vidigal, São Conrado e parte da Barra da Tijuca, atingiu em 1890 o número de 4.712 em sua população residente.

Já no final do Século, a Freguesia da Gávea passou a ser ocupada por fábricas têxteis, aumentando rapidamente sua população. Na 1ª década do Século XX no programa de reforma urbana implementada pelo então Prefeito Pereira Passos foi realizado o saneamento da Lagoa Rodrigo de Freitas. Em 1919, o Prefeito Paulo de Frontim no intuito de resolver o problema de saneamento da lagoa optou pela resalinação da mesma, mas foi na administração de Carlos Sampaio que essa área começou a ser efetivamente urbanizada, passando a integrar mais uma nova e extensa "área nobre" à cidade. Em 1920, apesar dos aterros, a área da Lagoa ainda chegava às ruas Humaitá e Marquês de São Vicente. Em 1922 a orla da lagoa foi circundada por uma bela avenida, que foi utilizada para construções de casas para a elite carioca, essa avenida foi chamada de Av. Epitácio Pessoa, em homenagem ao então Presidente da República Epitácio Pessoa. Em 1926 foi inaugurado o Jóquei Clube Brasileiro, onde ainda hoje está localizado.

Na década de 50 foram fechadas as fábricas têxteis: Carioca e Corcovado e suas áreas foram urbanizadas, encerrando-se assim a fase industrial do Bairro. Paralelamente foram também retiradas da região as favelas onde habitavam os mais pobres. Na administração do Governador Carlos Lacerda foram abertos os túneis Rebouças, ligando a Lagoa ao Rio Comprido, unindo a Zona Norte à Zona Sul.

No início da década de 70 ocorreu de forma mais agressiva a especulação imobiliária no bairro que foi invadido pelas construtoras que passaram a aterrar a Lagoa mesmo sem autorização da Prefeitura, para a construção de edifícios residenciais. Com isso, a Lagoa que já vinha sofrendo aterros desde 1808 perdeu quase a metade de sua área original. Vários foram os protestos por parte de moradores e arquitetos como Oscar Niemeyer e Lucio Costa para que a Lagoa Rodrigo de Freitas e sua orla fossem tombadas pelo patrimônio histórico.

Isso só veio ocorrer em 1975 na administração do Prefeito Marcos Tamoyo, que também aprovou um decreto para alinhamento de suas margens. Foi proibida foi criado o Parque da Catacumba.

Na década de 1980, as atenções foram voltadas para a despoluição da Lagoa Rodrigo de Freitas, vários projetos foram apresentados e alguns com a ajuda da iniciativa privada e do capital internacional, foram colocados em prática. Porém, só na década de 1990, é que os cariocas puderam apreciar o espelho d’água menos poluído. Foi nas três últimas décadas do século, que o bairro ganhou uma considerável participação na agitada noite carioca: com bares, discotecas e restaurantes para todos os gostos.

Retorna ao Início da Página



A Região da Lagoa Vista do Parque Nacional da Tijuca

Vista Panorâmica da Região da Lagoa Rodrigo de Freitas Tirada do Cristo Redentor

A sequência de fotos mostra a Região em que se situa a Lagoa Rodrigo de Freitas no cenário da Zona Sul carioca e nada melhor do que a vista maravilhosa que se descortina desta área do Parque Nacional da Tijuca. Cabe destacar de início as duas Avenidas que circundam a Lagoa: a Borges de Medeiros e a Epitácio Pessoa, elas tem início na saida do Túnel Rebouças, em Botafogo e circundam a Lagoa em direções opostas voltando a se encontrar no Jardim de Alah separando os Bairros de Ipanema e Leblon.

A foto panorâmica, tirada do Cristo Redentor situa a Lagoa entre os contrafortes do Morro do Corcovado, mostra seu entôrno com os Bairros da Lagoa, Jardim Botânico, Ipanema, Leblon e partes de Botafogo, Gávea e Copacabana. As seis fotos seguintes mostram o mesmo cenário em diversos ângulos, as duas primeiras destacam Botafogo e o relevo desde os Morros do Pão de Açúcar e Urca, mas também o Morro das Babilônia, São João, Saudade e Cabritos. As outras quatro, destacam o contorno com as Avenidas Borges de Medeiros e Epitácio Pessoa.

Nas duas fotos abaixo pode se ver com destaque o entroncamento em que as Avenidas Borges de Medeiros e Epitácio Pessoa
seguem em direções opostas e do outro lado da Lagoa o reencontro das duas para formar o Jardim de Alah e separar Ipanema do
Leblon. A área verde da primeira foto é o Parque Laje no Jardim Botânico
.



As duas fotos acima, tiradas da Estrada das Paineiras no Parque Nacional da Tijuca, destacam a região onde se situa o
Jockey Clube Brasileiro.

As cinco fotos mostram a região do Jockey Clube
Brasileiro, estas foram tiradas do Morro do Corcovado
no Parque Nacional da Tijuca.

Duas fotos da Lagoa tiradas da Estrada das Paineiras no Parque Nacional da Tijuca, ambas tendo ao fundo o Bairro de Ipanema.

Retorna ao Início da Página



Redor da Lagoa com seu Belíssimo Relevo


Vistas do Morro do Corcovado com o Cristo Redentor, visto
da Lagoa, tiradas do início da Avenida Borges de Medeiros.
A quarta foto mostra em primeiro plano os prédios da
Avenida Borges de Medeiros.





A foto ao lado mostra a Rua Maria Angélia que liga a Avenida
Borges de Medeiros à Rua Jardim Botânico, com o Morro do
Corcovado ao fundo, a foto abaixo mostra a Fonte da Saudade
e o Morro da Saudade. O menino que se encontra na foto é o
dono deste site quando pequeno.

As fotos acima mostram duas vistas do Morro Dois Irmãos. As duas abaixo mostram o Morro tendo à frente a tradicinal Árvore de Natal da Lagoa na versão 2013, com a vista da Avenida Borges de Medeiros ao fundo. As outras quatro mostram o Morro dos Irmãos e também a Pedra da Gávea em diferente ângulos, a primeira mostra a Árvore de Natal numa versão anterior.

Continua na página LAGOA RODRIGO DE FREITAS - RUAS AO SEU REDOR
 




Acesso ás Páginas da História do Rio de Janeiro
| A Descoberta | Os Franceses no Rio | Villegagnon - A França Antártica | São Sebastião do Rio de Janeiro - Uma Fundação em Etapas |
| O Rio no Final do Século XVI | O Século XVII | O Século XVIII | D. João VI no Rio | Os Impérios | A República |

Acesso ás Páginas de Encantos do Rio de Janeiro
| Baía de Guanabara | Barra da Tijuca | Botafogo | Catete | Centro | Cosme Velho | Copacabana | Del Castilho | Engenho de Dentro | Flamengo |
| Gávea | Glória | Ilha do Fundão - Cidade Universitária | Ilha do Governador | Ipanema | Jacarepaguá | Jardim Botânico |
| Lagoa Rodrigo de Freitas | Laranjeiras | Leblon | Leopoldina | Madureira | Região do Novo Porto do Rio | São Conrado | São Cristóvão | Tijuca |
| Jogos Pan-Americanos - RIO 2007 | O Rio de Janeiro nos seus 450 Anos - 1565 a 2015 | Jogos Olímpicos - RIO 2016 |