Centro Rua 1º de Março Esplanada Castelo Praça XV de Novembro Largo da Carioca Praça da República Av. Presidente Vargas Largo de S. Francisco
Avenida Rio Branco Praça Mauá Praça Marechal Âncora Lapa Santa Teresa Avenida Chile Praça Tiradentes

CENTRO - AVENIDA RIO BRANCO

CINELÂNDIA III



Fundação Biblioteca Nacional

A Fundação Biblioteca Nacional é a maior biblioteca da América Latina e uma das maiores do Mundo, possue um acervo multidisciplinar de cerca de nove milhões de volumes, entre os quais se destacam milhares de obras raras, além de livros, periódicos, manuscritos, estampas, gravuras, mapas, partituras musicais, discos, fitas casstes e outros suportes.

O prédio da Biblioteca Nacional foi construído entre 1905 e 1910, pelo arquiteto Francisco Marcellino de Souza Aguiar, com projeto do fracês Hector Pépin, é um prédio em Estilo Eclético, mas possue componentes do Neo-Clássico, com seu aspecto externo semelhante a um templo grego ou romano com seis colunas e o frontão apresentando uma decoração grega, mas também tem componentes de Art-Nouveau. Apresenta duas alas com ritmo constante de janelas e cantos arredondados nas quatro esquinas. É um prédio monumental, possuindo uma belíssima escadaria, saguão de entrada de frente para a Cinelândia e toda a decoração em vitrais franceses. O prédio foi inaugurado em 29 de outubro de 1910, no contexto da Avenida Central recém aberta, anteriormente a Biblioteca funcionava no local onde hoje fica a Escola de Música da UFRJ, na Rua do Passeio.

A Biblioteca teve sua origem na antiga livraria de D. José, Rei de Portugal, que foi trazida para o Brasil por D. João, em 1808. De seu acervo destaca-se a primeira edição dos Lusíadas de Luís de Camões, a grande coleção de gravuras de Albert Dürer e a Bíblia de Mogúndia, de 1462.

A Fundação mantém atualmente o maior acervo bibliográfico do país e o público tem acesso à pesquisa por meio de duas áreas de atendimento: o Acervo Geral formado de setores de: Referência; Publicações Seriadas; Obras Gerais e Informações Documental e o Acervo Especial forma dos setores de: Iconografia; Manuscritos; Obras Raras; Cartografia e Música e Arquivo Sonoro. Através de depósito legal, a Fundação assegura a coleta da produção intelectual nacional para seu registro, guarda e difusão.




As seis fotos na sequência são do prédio da
Fundação Biblioteca Nacional tiradas da
Cinelância e da Avenida Rio Branco.






As duas fotos são do prédio da Fundação Biblioteca Nacional
tiradas da Rua México esquina com Rua Araújo Porto Alegre.


Vistas do imenso hall de entrada do prédio da Biblioteca Nacional






Retorna ao Início da Página



Tribunal Superior de Justiça

O prédio do Tribunal Superior de Justiça, foi construído no início do século por Adolfo Morales de los Rios, inspirado no estilo romano dos prédios pontifícios renascentistas, para o Mitra Arquiepiscopal do Rio de Janeiro, para ser o quarto Palácio Episcopal da cidade. Foi vendido em 1909 para o Governo Federal e nele passou a funcionar o Tribunal Superior de Justiça.

Merecem destaque seu hall com escadaria em estrutura metálica, um vitral representando a justiça e o teto do plenário em estuque pintado. A última foto mostra o cartaz da exposição realizada no prédio por ocasião das comemorações dos 200 Anos de Chegada de D. João ao Brasil: RUGENDAS - Um Olhar Inaugural.
















Retorna ao Início da Página



Museu Nacional de Belas Artes - Seu Prédio

Outra instituição que pertence à vinda de D. João VI e da Casa Real Portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1808, é a Real Escola de Artes, Ciências e Ofícios, depois Academia Imperial de Artes e Ofícios e Academia Imperial de Belas Artes, criada em 1826 pela Missão Artística Francesa chefiada pelo pintor Joaquim Lebreton, que havia sido chefe de todos os museus e bibliotecas francesas, conforme o modelo da Escola de Beaux-Arts de Paris. Com a Missão Francesa vieram para o Brasil grandes artistas franceses, como: João Batista Debret, Nicolau e Augusto Taunay, Zeferino e Marcos Ferrez e o joalheiro Ratier, além de grande quantidade de profissionais especializados.

Esta missão fundou no Rio de Janeiro a primeira escola profissionalizante do Brasil - a Real Escola de Artes, Ciências e Ofícios. A Escola funcionou inicialmente na Avenida Passos, num prédio projetado por Grandjean de Montigny, em Estilo Neo-Clássico, após sua demolição, seu frontão foi colocado no Jardim Botânico.

A República que determinou novo padrão de arquitetura exigia nova sede para a então Escola de Artes e Ofícios e foi então construído o prédio que hoje abriga o Museu de Belas Artes, com projeto de Adolfo Morales de los Rios, que é um dos prédios mais importantes do Estilo Eclético da cidade, em moda na época. A fachada principal do prédio é uma inspiração da fachada ocidental do Museu do Louvre, de Paris, incluída a Cúpula do Pavilhão do Relógio. Sua fachada do terceiro andar é decorada por Cariástides, colunas com figuras femininas, de influência grega.

O prédio foi construído entre 1906 e 1908, passou a abrigar o Museu Nacional de Belas Artes, em 1937, quando era Ministro da Educação e Saúde, Gustavo Capanema. O Museu possue um acervo de cerca de 20 mil peças de arte decorativa e popular e nele tem sido realizadas grandes exposições internacionais.




Vistas do prédio do Museu de Belas Artes
na sua fachada que dá para a Avenida Rio
Branco, na fachada que acompanha a Rua Araújo
Porto Alegre e um detalhe da esquina da Avenida
com a Araújo Porto Alegre.




Duas vistas de detalhe do prédio no seu frontão
principal no terceiro andar onde encontram-se
localizadas as Cariástides e uma vista mais ampla
do segundo e do terceiro andar.





As quatro fotos, tiradas no dia da Maratona Feminina dos Jogos Olímpicos - RIO 2016, mostram a fachada do Museu
depois de uma restauração de sua fachada.





As duas fotos, tiradas da esquina de Rua México com a Rua Araújo Porto Alegre, mostram as fachadas voltadas para as duas ruas.




O Interior do Museu de Belas Artes



As três fotos acima mostram a entrada do prédio: com o hall de entrada e a escadaria dupla que leva ao segundo andar e as duas escadarias que levam ao terceiro andar uma localizada à esquerda e a outra à direita de quem entra, tendo cada uma, em seu primeiro lance um quadro pintado a óleo. Nas três fotos abaixo vemos na primeira o teto do segundo andar iluminado, a segunda outra vista do mesmo teto e a terceira o lustre de uma sala na entrada do Museu.





Avenida Rio Branco Palácio Monroe Mapa do Centro do Rio de Janeiro
antes da construção da Avenida Central
Cinelândia I Cinelândia II Cinelândia III

Cinelândia IV

Suas Transversais I Suas Transversais II Um Novo Meio de Transporte
no Centro do Rio
A Avenida Centenária - 2005



Retorna à página CENTRO
Retorna ao início da página